ImagemSaí do hostel de short jeans e blusa de alcinha, afinal, era verão de 40 graus na Tailândia. A alegria durou pouco já que para entrar no Templo dos Tigres as placas indicavam de longe que mostrar pernas ou bracos era extremamente proibido. Fui lá, comprei uma calça saruel de uns $5 dólares e peguei uma echarpe emprestada da senhora que estava na mesma van que eu. Só que como não é um templo com imagens sagradas, não basta se cobrir. A ideia principal é não mostrar a carne "das boas" para o pequeno bichano. Era final de viagem e eu não queria gastar mais com algo que eu não fosse usar aí o motorista se compadeceu com meu vai e volta e falou: "vem aqui, vou te emprestar uma coisa". E me deu a camisa xadrez que estou vestindo na foto. Estava dobrada, limpinha e com cheiro de sabão em barra. Vida de viajante é assim, o imprevisto vira amizade.

Pra saber mais: O templo foi fundado por monges budistas para cuidar dos filhotes de tigresas mortas por caçadores. Todos os tigres que eram encontrados na região também foram levados para lá. Há duas teorias controversas sobre o templo: 1) O convívio com os monges que lá vivem, tornou os tigres mansos e dóceis, possibilitando o contato com os visitantes. 2) Os criadores dão calmante para os animais para que eles não se sintam ameaçados e avancem nos turistas. Eu sinceramente achei os bichinhos calmos, demais, sem expressar nenhuma reação. Se bem que depois do almoço e com aquele calor, até eu estava mais mole do que eles.

Para quem quer visitar, vale a pena pagar um tour saindo de Bangkok, que vai para o Mercado Flutuante durante a manhã e termina com a visita ao tempo pela tarde. Normalmente o almoço está incluso. Fica cerca de 3hs de Bangkok e custa em torno de 600 baths

Site: http://tigertemple.org