Ontem eu estava nostálgica. Fiquei lembrando de quando cheguei em Londres há 10 anos e um dos meus objetivos era tentar uma experiência de trabalho na minha área. Não achei que fosse algo impossível, porque sempre acredito que “ah, sim, vai dar”, mas para quem mal sabia pronunciar umas frases aprendidas no curso de inglês, talvez fosse muita pretensão. Aí veio a primeira lição, porque afinal, quando a gente muda para outro país descobre tanta, mas tanta coisa, que uma semana parece um mês e todo minuto a gente aprende algo. Ainda mais tendo que se virar em outra língua, muitas vezes não ser entendida, ter que levantar a cabeça e partir. Aí através de um amigo que sempre ia fotografar – e eu, que sempre adorei fotografia, ia junto – pintou um convite. Ele disse: “quero te apresentar para um amigo que trabalha em um jornal aqui”. Aeeeeeee, que alegria!!

Eu e os Márcios - o novo, ao meu lado e o de sempre, no meio

Eu e os Márcios – o novo, ao meu lado e o de sempre, no meio

Assim conheci o Márcio, que virou meu chefe e até hoje é meu amigo. O Márcio era editor do Brazilian News, o único jornal para o público brasileiro na Inglaterra e que virou meu primeiro emprego como jornalista em Londres. Como eu já tinha viajado para alguns países desde a minha chegada à Europa e eles estavam em busca de colaboradores, virei a colunista de turismo – e revisora, fotógrafa, escrevi outras matérias, ia fazer enquetes na rua, enfim, jornalista nunca tem um trabalho só (alguém aí é jornalista e tem?). Ano passado ao pisar novamente em terras londrinas, conheci o outro Márcio, editor atual, que fez o mesmo convite. O Brazilian News tá no meu coração, afinal, lá no começo da minha fora de casa, foi onde passei tardes felizes, enquanto revezava com meu trabalho como garçonete em hotéis e as aulas de inglês. Eu passava um dia da semana no escritório batendo papo, tomando café e claro, trabalhando. As conversas não tinham fim, assuntos pipocavam e era muito bom ser bombardeada de notícias em meio ao caos dos outros dias no hotel, em que eu era bombardeada era de pedidos de café, chá, comida vegetariana ou carne mal-passada. Há alguns dias assumi a coluna de Turismo novamente e acabo de chegar do encontro de Natal, junto com os Márcios, claro, e outros jornalistas que se uniram ao time. Noite foi de feijoada, caipirinha e claro, papo de jornalista. Aqui está o último artigo, recém publicado.

Papo de jornalistas

Papo de jornalistas

Quer trabalhar na sua área?
– Procure a universidade que você estudou no seu país, muitos oferecem programas de intercâmbio durante o curso, em que você pode estudar um semestre nas faculdades conveniadas ao redor do mundo. Para alunos já formados, há convênios para fazer uma pós-graduação.
– Se você quer trabalhar na sua área, há diversos sites em que você pode encontrar estágios – remunerados ou não. Às vezes, trabalhar mesmo sem receber é uma forma de abrir as portas no início da carreira aqui fora. Pesquise em sites como Indeed, WorkinginStartups, Internwise, Glassdoor.
– Existem agências de estágio e/ou colocação profissional, que oferecem vagas em grandes empresas no exterior. Os contratos variam entre 12 semanas e 1 ano e você paga uma taxa por isso. Não é barato, mas é garantido que você já chegue no exterior com um emprego. Algumas empresas oferecem contrato permanente depois deste período.
– Visite sites, entre em contato com as empresas que você gostaria de trabalhar, mande email para algumas pessoas, peça informações e mostre o seu interesse, afinal o “não” você já tem. Conheço várias pessoas que conseguiram emprego em Londres desta forma.
– Ao chegar, participe de eventos de networking, tenha seu cartão de visitas e um perfil atualizado no LinkedIn. Sites como Eventbrite e Meetup oferecem eventos gratuitos, diariamente.
– Não esqueça do principal, pesquise se mesmo como estudante você tem permissão para trabalhar no país. Alguns países permitem 20 horas por semana, outros permitem apenas para estudantes de universidades, não valendo para cursos de línguas.

Conhece outros sites? Outras formas? Escreva aqui para que outras pessoas possam ter acesso também. E conte sua experiência aqui no blog 🙂

Com a(s) Tag(s) →