Consegui o emprego pelo Twitter e desenvolvi uma empresa a partir de um plano de negócios. Baita desafio. Os sininhos fizeram pliimmmmm quando o chefe me contou sua ideia e disse na primeira entrevista que precisaria de alguém “de comunicação” para desenvolvê-la. Eba! Consegui, meu primeiro emprego no exterior e na minha área, comunicação em mídia digital. Um ano e meio e 15 mil usuários de 20 países depois, resolvi que era hora de “partir para novos desafios”. Será essa vontade de mudar o maior problema da nossa geração? Eu peguei a última raspa, nasci nos anos 80, bem onde dizem a geração de inconformados surgiu e começou a ser objeto de pesquisa. Fui muito feliz em voltar a ter rotina, horário de escritório, bater cartão – isso tudo claro, com certeza absoluta – por trabalhar com uma pessoa que sabe o que é flexibilidade na prática e não concorda apenas com isso por que os guias de marketing dizem. Flexibilidade é chegar no trabalho um pouco mais tarde, sair mais cedo, poder trabalhar de casa ou compensar horários em uma semana por que pintou uma viagem de última hora na semana seguinte. Mas senti que a missão estava cumprida e achando que precisava de mais desafios, novidades, tentar, tentar, tentar. E assim, aqui estou eu novamente livre como um passarinho até voltar das férias – momento que a cabeça não para mesmo, cheia de ideias para serem realizadas. Conto pra vocês depois minha nova empreitada. Palpites?

Vou sentir saudades de ver o por do sol aqui

Vou sentir saudades de ver o por do sol aqui